Entrevistas com escritores mortos, parte 2

  • Roger Phillips
  • 0
  • 3027
  • 663

Hoje quero escrever sobre o dia em que me perdi. Eu quero escrever sobre isso porque acreditoé a única coisa que pode me dar um pouco de paz de espírito.

Quando eu era criança, os invernos aqui costumavam ser preguiçosos. Eu moro em uma cidade pequena, longe da agitação da cidade. O sol da tarde brilhou um tanto lento, como se a inatividade fosse o lema do dia. A vizinhança ficava quieta e lânguida ao meio-dia e as pessoas cochilavam depois de um brunch pesado. Na verdade, se você ouvir com atenção, poderá ouvir as pessoas roncando em uníssono. Minha mãe esperou que eu voltasse da escola para que ela pudesse me alimentar com pressa e me colocar para dormir. Eu fingia dormir na maioria dos dias e esperava ela adormecer em vez disso.

Eu costumava ser inteligente, mas muito teimoso. Eu estava extremamente inquieto e meus pais enlouqueciam tentando me fazer sentar em um lugar por mais de um minuto. Lembro-me de como todas as tardes de inverno eu costumava sair furtivamente de minha casa e esperar pelos meus amigos atrás das enormes mangueiras do jardim do meu vizinho. Havia cinco deles, todos meninos, vestidos com shorts e moletons. Entre eles, eu era a única garota, vestindo as mesmas coisas que peguei emprestado do guarda-roupa do meu irmão sem pedir a ele. Íamos pescar carpas no lago do vizinho ou às vezes colher laranjas ou desenterrar cenouras do campo. O dono do jardim nunca soube quem o fez, até um dia em que amarrou Juno a uma mangueira e não o deixou por horas. Meu pai quase me matou naquele dia, mas todo mundo riu disso. Afinal, éramos apenas crianças criando memórias.

Juno nunca gostou da ideia de roubar de alguém. Ele me acompanhava todos os dias para ficar de olho em mim quando eu subir em árvores ou apenas pular no lago sem motivo. Ele não confiava na minha natureza extremamente impulsiva e sabia que eu sempre tinha uma maneira de me meter em problemas. Não tínhamos nem 10 anos na época, mas meu pai costumava dizer que seus olhos estavam sempre cheios de sabedoria. Polido, cortês e terrivelmente intelectual, ele era o tipo de criança com quem meus pais só podiam sonhar. Eu às vezes me perguntava como no mundo ele é mesmo meu melhor amigo.

Ele me ajudava com o dever de casa todas as noites e me ensinava a tocar violão. Seu gosto musical era a coisa mais linda do mundo. Ele ouvia Beatles e fazia mix tapes para mim e costumava ser visto olhando pela janela, perdido e cantarolando seu favorito de todos os tempos, Madeira norueguesa. Agora me pergunto como uma criança de dez anos poderia entender a letra dessa música.

Juno era um tipo diferente, mas eu o conhecia como a palma da minha mão desde o dia em que nasci. Não, não apenas metaforicamente - nós até compartilhamos o mesmo aniversário.

Estávamos em pólos opostos, mas ele era minha parede maravilhosa.

Lembro-me claramente de uma vez que não nos vimos por seis meses. Ele estava fora com sua família e ninguém me disse onde. Fiquei chateado com ele por estar tão distante ultimamente, porque não conseguia descobrir por que, pela primeira vez em 16 anos, ele teve que simplesmente desaparecer. Estávamos no nono ano e eu odiava ir para a escola sem ele, por que não iria? Eu não tinha outros amigos.

Era inverno novamente quando ele voltou para casa. Fiquei tão furioso que abandonei suas ligações e mensagens de texto. Era véspera de ano novo quando finalmente desisti. Juno me deu chocolates e uma mixtape de todas as minhas músicas favoritas do Pink Floyd. Sentamos no terraço à meia-noite, vendo os fogos de artifício florescerem por todo o céu quando o relógio bateu 12. Ele se sentou com seu violão sob a luz da lua, seus olhos brilhando e seus dedos tocando "Gostaria que você estivesse aqui" enquanto eu cantava alto e bom som como se fosse o dia mais feliz da minha vida.

Minha melhor amiga voltou para mim e eu não precisava mais me preocupar em ficar sozinha. Eu poderia apenas olhar para ele e saber que ele era minha pessoa, meu próprio humano. E às vezes na vida, isso é tudo de que você precisa - alguém que aceite você como você é e olhe para você como se não tivesse visto nada mais calmante.

Os invernos não eram mais aventureiros depois que eu cresci. Voltei da escola em uma tarde de inverno em 2011, esperando encontrar mamãe gritando comigo por estar tão atrasado. Mas tudo estava quieto. Liguei para a mamãe e ela espiou para fora da cozinha parecendo que tinha acordado do pior pesadelo de sua vida. Ela não disse nada, apenas correu em minha direção e me abraçou forte, esfregando minhas costas com força. Suas lágrimas molharam minha camisa e eu a afastei. Continuei perguntando o que havia de errado, mas ela não respondeu. Eu imaginei todas as piores coisas possíveis, mas nada fazia sentido.

Então, de repente, como se dentro de um nanossegundo, meu mundo desmoronou. Liguei para o celular de Juno. Ele faltou à escola por uma semana e, novamente, eu não tinha nenhuma ideia de seu paradeiro. Liguei para ele 20 vezes seguidas como uma louca, suando muito. Minha mãe continuou chorando silenciosamente ao meu lado quando de repente alguém atendeu. Era a mãe de Juno e, por algum motivo, meu coração parou. Minha voz falhou durante a ligação, perguntei onde ele estava e ela desabou. Suas palavras fizeram parecer que ela estava chorando por semanas.

Ela me disse que me amava e que Juno também me amava, mas ele tinha que ir embora; o tempo dele acabou.

Ele tinha câncer no cérebro e nada do que eles fizessem o manteria mais vivo.

Meu mundo e tudo dentro e ao redor dele pareciam obscuros. Nada mais fazia sentido; nada realmente importava. Agora entendi a razão por trás de suas fortes dores de cabeça. Ele corria para minha casa e dormia no sofá apenas para que eu pudesse massagear sua testa e colocá-lo para dormir. Eu costumava ficar acordada a noite toda ao lado dele. Vê-lo com dor iria me destruir.

Naquele dia, desisti do mundo, do meu sistema de crenças, da minha vida, dos meus sonhos. Lembro-me de como corri para a casa dele após o telefonema, descalço, as lágrimas escorrendo como se minha respiração parasse. Naquele momento, pela primeira vez na vida, me senti vazio, parado, inativo. Esse foi o dia que eu me perdi.

Hoje, seis anos depois, ainda não sei onde estou ou o que estou fazendo. Estou perdido neste labirinto sombrio de estar vivo e não existir ao mesmo tempo.

Juno era minha salvação, meu diamante louco, meu espaço seguro.

Como meus olhos estão cheios de lágrimas agora; minha visão turva. Estou pensando em quão longe já cheguei e quão longe ainda poderia ir sozinha. E não importa quantas vezes eu escreva sobre isso, nunca vou encontrar minha paz de espírito.




Ainda sem comentários

Artigos úteis sobre amor, relacionamentos e vida que vão mudar você para melhor
O site líder de estilo de vida e cultura. Aqui você encontrará muitas informações úteis sobre amor e relacionamentos. Muitas histórias e ideias interessantes